Paróquia Divino


PARÓQUIA DIVINO ESPÍRITO SANTO – JAGUARÃO

LOCALIZAÇÃO: Município de Jaguarão
DATA DE FUNDAÇÃO: 31 de janeiro de 1812

HISTÓRICO:
  As guerras de ocupação na América Latina pelos impérios Português e Espanhol. Assim, como em outros tantos embates que houve e que adviriam, em 1801, após um enfrentamento e ocupação rápida de Serro Largo, hoje Melo, território espanhol, as tropas do Coronel Manuel Marques de Souza recuam para as margens do Rio Jaguarão e instalam a Guarda da Lagoa e do Cerrito em 1802.
Restabeleceu-se a paz e manteve-se nesta fronteira um tratamento respeitoso. Quando Marques de Souza retira-se para Rio Grande em maio de 1802, deixa recomendações para que se conservem os laços de boa vizinhança com os espanhóis.
Em correspondência para o comandante da fronteira sediado em Rio Grande, datada de 24 de outubro de 1802, comunica-se que já se rezava missa no acampamento militar nessa ocasião. Sendo sinal do local que viria a ser a paróquia do Divino Espírito Santo, já que nesta data já se ministrava os sagrados sacramentos na capela muito rudimentar.
Atendendo aos anseios da população, que havia tempos gestionava e por intervenção de Dom José Caetano da Silva Coitinho, em 31 de janeiro de 1812 é criada a Freguesia do Divino Espírito Santo no Jaguarão cujo primeiro pároco foi Pe. Joaquim Cardozo Brum.
Mesmo com um bom número de sacerdotes na região a freguesia não prosperou, de forma que em 1815 a igreja matriz ainda era considerada uma  “miserável barraca de palha”. E passados 18 anos nada mudara.
A construção da atual Igreja Matriz do Divino Espírito Santo prolongou-se por décadas (1846-1875), principalmente pela ênfase militar do povoado, falta de recursos e controvérsias quanto a localização da mesma. Ao definir-se pelo lugar já estabelecido, a quadra reservada para a igreja foi logo ocupada por moradores que ali edificaram.
  Ao entender que a pratica religiosa era um esteio fundamental para a segurança publica, era inadmissível a não existência de um templo digno para a celebração dos sacramentos. A partir desta conscientização é que o Governo Provincial direcionou seus investimentos para as áreas religiosas nas cidades da província e, no qual, a Matriz do Divino Espírito Santo de Jaguarão começou a encontrar caminhos para a sua conclusão.
Passaram-se os anos e o templo vai tomando forma nos seus detalhes com muita riqueza artística, no melhor estilo barroco.
Em 8 de dezembro de 1928 foi inaugurada a casa canônica ou casa paroquial nos fundos da matriz, rua Gal. Marques, quase em frente a Casa da Freguesia ou Casa da Oficialidade na época. Em tempos mais modernos sempre foram ocorrendo reformas e algumas modificações, adequando-se aos novos momentos, novas realidades da religiosidade cristã.
A Igreja Matriz da paróquia do Divino Espírito Santo tem como endereço a Praça Alcides Marques s/n.

SACERDOTES:
Em relação às ordens religiosas às quais pertenceram os sacerdotes que conduziram a paróquia do Divino Espírito Santo tem-se que até 1915, regem a paróquia os padres Premonstratenses (Ordem de São  Norberto); de 1915 a 1934, os padres Josefinos; de 1934 a 1956, os Carmelitas Descalços da Província de São João da Cruz e desde então entregue novamente ao bispo da Diocese de Pelotas , assumindo seus trabalhos os padres Forâneos ou Seculares, vinculados a mesma. A lista a seguir é extensa, pois nomeia todos os sacerdotes que tiveram atuação ao longo desses quase 200 anos de vida da paróquia.
Pe. Joaquim Cardozo Brum 1814 a 1824, 1827 a 1829, 1835 a 1837
Pe. João de Freitas de Santo Agostinho 1815 a 1816
Pe. Felisberto de Faria Santos 1815
Pe. Tomás  de  Souza  Siqueira  e Silva 1815
Pe. João Severino da Silveira 1815
Pe.  Manuel José Ferreira 1815, 1821
Pe.  Feliciano  de  Almeida 1815
Pe.  Jerônimo  Reggio 1815
Pe.  Antônio  Martins  Vieira 1815
Pe.  Mateus  Augusto 1815
Pe.  João Pedro  Themudo  Cabral  Diniz 1818, 1831 a 1835, 1837 a 1849, 1852 a 1855
Pe.  Francisco  Florêncio  da  Rocha 1825 a 1827, 1829 a 1831
Pe.  Francisco  Fernando  de Sales 1825
Pe.  Antônio  da  Costa  Guimarães 1835 a 1856
Pe.  Francisco  de  Afois  e  Cruz 1853, 1856
Pe.  Antônio  José  dos  Inocentes 1857 a 1862
Pe.  Joaquim  Lopes  Rodrigues 1859 a 1884
Pe.  Serafim  Pereira  dos  Santos  Norte 1859, 1861, 1863, 1865
Pe. Luiz  Dolores  Morzon 1860 a 1861, 1865
Pe.  João  de Campos  e  Silveira 1862
Pe.  Joaquim  Belisário 1863
Pe.  João  José  da  Porciúncula 1864 a1867, 1869 a 1870
Frei  Caetano  de Troina 1865
Pe.  Nicolau  Maria  Bernardi 1865 a 1867
Pe.  Antônio  Francisco  D.  Salles 1865
Pe.  Ignácio 1870
Pe.  Luiz  Valle 1871
Pe.  Geraldo  Floro 1873
Pe.  Rafael  Balbi 1874
Pe.  João  Texeira  Marques 1885
Pe.  Vicente  Floro 1890 a 1893
Pe.  João  Severino 1893, 1897
Pe.  Josué  Mattos 1898 a 1904
Pe.  Domingo  Sars 1911 a 1913
Pe.  Orestes  Trombem 1915 a 1921
Pe.  José  Longo 1915 a 1821
Pe.  José  Lopes 1818 a 1919
Pe.  Humberto  Paglianni 1915, 1919, 1921 a 1932
Pe.  Jesus  Pelagno  Muñoz 1918
Pe.  Clemente  Ughetto 1919 a 1934
Pe.  Luiz  Balbi 1919 a 1927
Pe.  Francisco  Xavier  Heffel 1919, 1922 a 1923
Pe.  Jorge  Apolloni 1920 a 1921
Pe.  Godofredo  Evers 1922 a 1923
Pe.  Pedro Esmeraldo  da  Silva 1924, 1928
Pe.  José  Baldelli 1924 a 1929, 1932 a 1934
Pe.  Agostinho  Castaldo 1925 a 1929, 1931
Pe.  Sylvano  Souza 1925
Pe.  Eugenio  Johner 1926
Pe.  Affonso  Vergnano 1926
Pe.  Miguel  Posse 1926 a 1927
Pe. Frei  Henrique  Maria  de  Jesus 1926 a 1927, 1930 a 1937, 1940 a 1945
Pe.  Thomé  José  Lunelli 1927 a 1935, 1937 a 1945, 1947
Pe. Frei  Sigismundo  de João  Luiz  Gonzaga 1927 a 1934
Pe. José Veja 1928
Irmão  Hermenegildo  Guerini 1929 a 1931
Pe. Geronymo Rossi 1929, 1932 a 1933
Pe. Francisco Hillmann 1930, 1932, 1936
Pe. Ulricho  Franchi 1930 a 1932
Pe.  João Schiavo 1931, 1948
Pe. Jeronymo  Pianezolla 1931 a 1932
Pe.  Agostinho  Shoel 1933
Pe. Frei Basílio  da  Imaculada 1934 a 1936, 1940
Pe. Frei Fábio  do  Sagrado  Coração de  Jesus 1935 a 1937
Pe. Bento  Mallman 1935, 1944
Pe. Vicente  Perez 1936
Pe. Frei Teófilo  da Virgem  do  Carmo 1936 a 1941, 1949 a 1957, 1961
Pe. Frei  Florentino  de São José   1936 a 1939, 1941
Pe. Álvaro  Veja 1936 a 1938
Pe. Frei Domingos do Menino  Jesus 1937 a 1942, 1945
Pe. Frei Benedito  Zozzi 1937
Pe. Redentorista  Antão  Jorge 1938
Pe.  Redentorista  André  Jorge 1938
Pe.  Godofredo  Schmit 1939
Pe.  João  Crisóstomo  Drabek 1940
Pe. João  Bronwer 1940
Pe.  Claudio  Mascarello 1940 a 1945, 1948, 1953 a 1956, 1961 a 1966
Pe. Frei  Isaac  do  Sagrado  Coração  de Jesus 1941 a 1945
Pe. Frei  Higino  de  Jesus  Maria 1941 a 1948, 1951 a 1956
Pe.  Guilherme  da  Imaculada  Conceição 1941 a 1950, 1954
Pe.  Análio  Pereira  das  Neves 1942 a 1952
Pe.  Nestor  Dics 1942
Pe. Frei  Redento da  Eucaristia 1943
Pe.  Bento  Mallmann 1944
Pe.  J. A. Queiroz 1944
Pe.  Eugenio  do  Rosário 1945
Pe. Frei  Gregório  da  Virgem  das  Dores 1945
Pe.  Frei  João  S.C 1946
Pe. Frei  Otávio  da  Encarnação 1946
Pe. Frei  Antolinn da  Virgem  do  Carmo 1946
Pe.  Frei  Patrício  da  Sagrada  Família 1946
Pe.  José  Alberto  Lopes  de  Castro  Pinto 1946 a 1947, 1956, 1962
Pe.  Sergio  Raupp 1948
Pe. Frei  Félix  Maria  de  Santa  Terezinha 1948 a 1949, 1957
Pe. Frei  Amados  da  Virgem  do  Carmo 1948
Pe.  Frei  Otávio  da  Encarnação 1948
Frei  Melécio  da  Virgem  do  Carmo 1949 a 1953
Pe. Frei  Félix  da  Sagrada  Família 1950 a 1952
Pe.  Libório  Poerchs 1950
Pe.  João  Wecher 1951
Pe. João de  Souza 1951
Pe.  Frei  Félix  da  Imaculada  Conceição 1951
Pe.  Frei  Daniel  de  São  José 1953 a 1956
Pe.  Otávio  Gurgel 1954, 1957, 1960
Pe.  Leo  Poerchs 1954
Pe.Frei  Geraldo  de  Santa  Tereza 1956 a 1957
Pe.  Mário  Prebianca 1957 a 1967
Pe.  Carlos  Johannnes 1957 a 1964
Monsenhor  Jacob  Lorenzet 1957 a 1959
Pe.  Ângelo  Gurgel 1957
Pe.  Raul  Farina 1958
Pe.  Luiz  Armindo  Capponi 1959 a 1963, 1965 a 1968
Pe.  João  B.  Zattera 1959
Pe.  José  Pedro  Ghesti 1959 a 1960
Pe.  Zomar  Garcia 1960 a 1962
Pe.  José  J.  Pillon 1960
Pe.  Pedro  Luiz  Bottari 1960
Pe.  Clementino  Mascizzo 1961
Pe.  Félix  Ordoñez 1961, 1971
Pe.  Antônio  Heidler 1962
Frei  Mário  Segredo 1962, 1964
Pe.  Célio  Weizenmann 1963, 1968
Pe.  Florêncio  F.  X.  Lunelli 1964 a 1968, 1970 a 1979, 1988, 1995, 2004
Pe.  Guilherme  Rohmer 1964
Pe.  Guerino  Gonzatto 1966
Monsenhor  José  Leon 1966
Pe.  Luiz  Boaro 1967
Pe.  Afonso  M.  Bandeira 1967
Pe.  Aldo  Sérgio  Lorenzoni 1967
Pe.  Beno  Müller 1968
Pe.  Rufino  Casom 1971 a 1972
Pe.  Flávio  Weizenmann 1972 a 1973
Frei  Théo  da  Silva  Monteiro 1973 a 1983, 1988
Frei  Genésio 1975
Frei  Hilário 1976
Pe.  Gilsen  Simões  dos  Santos 1977 a 1981, 1984
Pe.  Guilherme  Bianchi 1982 a 1988
Frei  Donato  João  Pegoraro 1983 a 1984
Frei  Augusto 1984
Frei  Valdemar  Valverdi 1984 a 1988
Frei  Maurílio 1986
Frei  Mário  Barp 1987
Frei  Eloi  Rosetti 1988
Pe.  Jaime  Pankowski  Souto 1989 a 1992
Pe.  Frei  Hugolino  Brod 1991
Pe.  Vicente  Ramos 1992 a 1993
Pe.  Alberto  Osvaldo  Klaus 1992
Pe.  Luiz  Henrique  Pinheiro 1993 a 2000
Pe.  Leduvino  B.  Lazzarotto 1993 a 2006
Pe.  Antônio  Régis  Brasil 1994
Pe. Elpídio Pellejero 1994
Pe.  Armando  Marques 1998
Pe. Darvan  Hernandez  da Rosa 2000 a 2009
Pe. Fabiano Xavier  de  Almeida 2005
Pe. Guilherme Barroso  Panatieri 2006 a 2010
Pe. Hamilton Silva Centeno 2010 até o momento.

Fonte: Claudino Corrêa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário